Protetor Solar

Você sabia que 80% da exposição a raios UV ocorre na infância? Exposição solar excessiva nessa faixa etária está relacionado a maior incidência de câncer de pele na idade adulta. Assim, o uso de protetor solar é fundamental, e não apenas no verão.

 

Como funciona o Protetor Solar?

O Protetor Solar age bloqueando os raios ultravioletas B (UVB), responsáveis por queimaduras. O Fator de Proteção Solar (FPS) é calculado com base no tempo necessário para desenvolver queimadura leve quando 2 gramas de protetor é aplicado em 1 cm2 de pele. A maioria das pessoas acaba aplicando menos protetor solar que o desejado, e assim o FPS torna-se menor do que o descrito na embalagem.

Dessa forma, aplique de forma generosa o Protetor Solar na pele da criança. Lembre-se que água, areia e neve refletem 10%, 15% e 80% respectivamente e por isso
na praia pode ocorrer queimadura mesmo na “sombra” ou dentro da água.

Continuar lendo Protetor Solar

Repelente

O uso de repelentes é medida importante na prevenção de doenças como zika, dengue, chikungunya e febre amarela. Conheça nesse Post os tipos de repelente e a partir de qual idade podem ser usados.

 

Bebês de 0 a 6 meses

Nessa faixa etária não existem estudos de segurança dos repelentes.

Assim, o ideal é que a proteção contra picada de inseto deve ser feita das seguintes formas:

  • Uso de mosquiteiro ao redor do berço
  • Roupas de cor clara ajudam a repelir os mosquitos, enquanto roupas escuras atraem
  • Roupas com manga longa e calça comprida
  • Evitar perfumes pois atraem os mosquitos
  • Existem produtos que podem ser aplicados apenas na tela ou mosquiteiros, chamados de permetrina spray 0,5%. Não aplicar diretamente na pele!
  • Repelentes elétricos diminuem a entrada dos mosquitos na casa e devem ser colocados próximo a entradas.

Caso a exposição a mosquitos seja importante e uso de repelentes seja inevitável, converse com o seu pediatra.

Continuar lendo Repelente

Febre: e agora?

O que é febre?


A febre é a elevação da temperatura corporal acima do valor de normalidade (maior igual a 37,8°), que pode ocorrer devido a diversos fatores: infecção, inflamação, tumor, entre outros. Nas crianças, a causa mais comum é infecção.

Em vigência da febre, as crianças podem  apresentar coração acelerado, respiração ofegante e prostração. Entretanto, sabemos que a febre é uma das medidas que o corpo toma para combater os microorganismos que estão causando a doença. Por isso, a febre deve ser medicada se a temperatura estiver acima de 37,8 graus. O estado “subfebril” (entre 37 e 37,7 graus) não necessita ser medicado, mas observado e acompanhado, pois nem sempre a temperatura se elevará.

Por ser um dos primeiros sinais de infecção, é comum ela aparecer em crianças sem nenhum outro sintoma, como tosse, coriza, diarréia. É por conta disso que orientamos ida ao pronto-socorro caso a febre permaneça por mais de 72 horas (3 dias), pois em geral nos primeiros dias da infecção ainda não existem alterações no exame físico ou nos exames laboratoriais que possam ajudar no diagnóstico.

Se a criança apresentar algum sinal de alarme para doença mais grave, não espere, procure o pronto-socorro na mesma hora.

Continuar lendo Febre: e agora?